Março 18, 2016

[indie da semana] Ori and the Blind Forest: Definitive Edition

O jogo de plataforma e exploração do Moon Studios, Ori and the Blind Forest, conquistou o coração dos jogadores quando estreou no Xbox One ano passado. No último dia 11, essa obra-prima recebeu tratamento ainda mais especial com o lançamento de Ori and the Blind Forest: Definitive Edition para Xbox One, entregando muitas áreas novas, opções de dificuldade e melhorias nos controles, e tudo isso tem muito apelo tanto para quem nunca jogou, quanto para veteranos.

E para sabermos mais sobre as novidades dessa nova versão de Ori, conversamos com Mark Coates, produtor executivo na Microsoft Studios – o que faz Ori and the Blind Forest tão único e especial?

Blog do Xbox: O que faz de Ori um jogo especial?

Mark Coates: Bem, a incrível resposta da mídia especializada, dos desenvolvedores de jogos e, claro, dos fãs é o que fez a Definitive Edition de Ori possível, e estamos muito felizes por isso. Nem todo time tem a oportunidade de revisitar, aperfeiçoar e adicionar conteúdo ao seu jogo de maneira não linear, então levamos isso de forma muito séria. Sendo assim, muito cuidado e atenção foi tomada para integrar de forma imperceptível esse novo conteúdo ao mundo de Nibel, criando novas habilidades de forma a mesclar perfeitamente a tudo, aumentando as capacidades já existentes de Ori.

blog-do-xbox-ori-and-the-blind-forest-definitive-edition-01

Blog do Xbox: Quais são as maiores e melhores adições a essa Definitive Edition?

Mark Coates: Tanto a dizer! Adicionamos toneladas de novo conteúdo em todas as partes do jogo, incluindo novos cenários, nova música, novas habilidades, novos elementos de história e novas implementações.

Para se manter fiel ao jogo original, duas novas áreas – Black Root Burrows e Lost Grove – chegam com temas únicos, tanto em apresentação gráfica quanto em mecânicas de jogo. Por exemplo, em Black Root Burrows, o Moon Studios quis utilizar luz e escuridão para desafiar o jogador a navegar com visibilidade limitada, utilizando então um feixe de luz carregado pelo jogador para modificar interações com determinados objetos no cenário. Fãs de Ori se apaixonaram pelo jogo e sua história, então em Black Root Burrows, você irá descobrir novas cut-scenes que contarão mais da história da guardiã Naru, oferecendo contexto do porque ela é tão motivada a ajudar Ori.

blog-do-xbox-ori-and-the-blind-forest-definitive-edition-04

Somado a isso, o jogador vai encontrar duas novas habilidades na forma do Dash e Light Burst. Dash permite Ori se movimentar rapidamente para frente em curtas distâncias, isso com o apertar do RB. Light Burst permite a Ori arremessar pequenos projéteis com o apertar do LB e que, quando detonados, machucam os inimigos. Ou então o jogador pode segurar o LB para ajustar a trajetória do projétil com grande precisão. Mais ainda, tanto Light Burst quando Dash podem ser evoluídos através da árvore de habilidades! Dash, por exemplo, pode ser evoluído de forma a atravessar os inimigos, causando dano – e evoluído mais uma vez, para ser realizado no ar!

Blog do Xbox: Você poderia detalhar algumas novas características dessa Definitive Edition?

Mark Coates: Queríamos permitir ao jogador acessar as novas áreas já de início, porque uma vez destravadas, essas áreas permitem ao jogador navegar e experimentar todo jogo de forma nova. Acredito que os jogadores irão concordar que mantivemos a qualidade e esmero do jogo original nessas novas áreas, mas também pensamos no apelo desse novo conteúdo tanto para jogadores já existentes, quanto para outros novos.

blog-do-xbox-ori-and-the-blind-forest-definitive-edition-02

Por exemplo, adicionamos novas dificuldades ao jogo, para torná-lo mais acessível a mais jogadores em termos de habilidade. Sim, há agora um modo “fácil” em adicional ao “normal”. Adicionamos também um modo “difícil” com outro de “vida única”. Outra implementação legal é a adição de navegação rápida; no jogo original, os jogadores ocasionalmente encontrariam Poços de Espírito em locações fixas que recuperavam a energia e vida de Ori, e agora os jogadores podem se transportar rapidamente entre esses poços num instante. Isso permite aos jogadores revisitarem áreas para coletarem itens perdido de forma muito mais fácil. Esperamos que isso crie um novo paradigma de jogo para a comunidade viciada em velocidade, os speedrunners, para tentarem assim novos recordes!

Outra implementação bem legal é o Teatro expandido. Em adição a permitir colecionar e rever cut-scenes do jogo, os jogadores podem agora ver muitos trailers promocionais, artes conceituais e cenas de bastidores, com histórias bem legais da produção do jogo.

Tentamos fazer dessa Definitive Edition uma celebração para todos os fãs e jogadores, dando as boas-vindas a todas essas pessoas a acompanharem toda jornada do processo de desenvolvimento. Todas essas coisas tornam Ori muito especial.

blog-do-xbox-ori-and-the-blind-forest-definitive-edition-03

Blog do Xbox: Olhando em retrospecto, você está feliz com o sistema único de salvamento que vocês criaram para o jogo?

Mark Coates: Sim, absolutamente. Estamos muito orgulhosos do sistema “salve em qualquer lugar” de Ori. Percebemos bem cedo no desenvolvimento que queríamos que Ori fosse uma experiência bem desafiadora. Consideramos importante e central para o estilo de jogo que o jogador fosse desafiado a dominar suas novas habilidades, então as implementamos com intuito de progressão, para atingir um senso incrível de conquista. Mas pode ser frustrante tentar várias vezes até conseguir… mas dando controle para que o jogador escolha quando e onde salvar e renascer, nos ajudou a chegar até a parte divertida mais rápido. Na verdade, isso foi o centro de muitas discussões e debates de design durante o desenvolvimento, porque muitos jogos espetaculares do gênero empregam sistema de salvamento em pontos fixos, balanceando o jogo na exploração do jogador ao redor desses pontos. Então, nossa solução foi meio arriscada, mas, no final, funcionou muito bem.

Blog do Xbox: O que você diria que separa os jogos mais comuns de exploração e plataforma daqueles realmente incríveis?

Mark Coates: Isso é um pouco subjetivo, mas, na minha opinião, os ingredientes chave são os seguintes: 1) Uma atenção extrema aos detalhes no que diz respeito a ajustar e desenhar a movimentação e os controles do personagem controlado, então aquela precisão cirúrgica pode ser obtida quando navegamos pelos cenários. 2) Apresentar novas e interessantes habilidades ao jogador, de modo que as fases são construídas de forma que essas novas habilidades sejam necessárias para seguir em frente. 3) Eu acho que essas são coisas separadas, mas um mundo instigante e bonito combinado a personagens memoráveis e uma narrativa compenetrante para o jogador explorar. Certamente, esses são pilares que estabelecemos como objetivo durante o desenvolvimento de Ori e na Definitive Edition.

blog-do-xbox-ori-and-the-blind-forest-definitive-edition-05

Blog do Xbox: Quais são os desafios em fazer um jogo com esse tipo de estrutura de exploração?

Mark Coates: Esse estilo de jogo pode ser bem desafiador de fazer, e algumas pessoas acham isso surpreendente. Há uma complexidade inerente ao design do mundo todo e a estrutura das fases, devido aos elementos de revisitação e as várias mudanças nas capacidades do personagem. Tentar criar um mundo crível e coeso, onde as áreas temporariamente bloqueadas não parecem punitivas é, certamente, um dos desafios – e ainda acrescentaria o desafio em criá-las, balanceá-las e aperfeiçoá-las com todas as habilidades do personagem, combinando tudo isso de forma imperceptível. Essas duas coisas podem tomar uma quantidade absurda de tempo para ser feito do jeito certo.

Nós sabíamos de início que não queríamos adicionar apenas uma quantidade pequena de conteúdo, estendendo Ori de forma linear. Nós queríamos fazer dessa a verdadeira versão definitiva do jogo.

voltar